Carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

Fique por dentro

Há mais de 10 anos superando expectativas...

Solicite sua proposta

Briga entre vizinhos quase acaba em tragédia no Jardim Mangueiral

Administração de Condomínios

Briga entre vizinhos quase acaba em tragédia no Jardim Mangueiral

 
O síndico, que é policial militar de Goiás, baleou marido de uma moradora. Segundo o PM, ele atirou em legítima defesa

 Uma briga entre um síndico e uma condômina acabou com um homem baleado no Jardim Mangueiral na noite desta quinta-feira (16/3). Iara Cordeiro, 33 anos, moradora de uma das casas da Quadra 3, Rua L, começou uma discussão, por meio do WhatsApp, com Hebert Henrique Araújo de Almeida, administrador do condomínio e policial militar de Goiás, sobre vários problemas encontrados no local.

O bate-boca ficou acalorado e, de acordo com uma foto divulgada pela mulher na internet, o PM escreveu frases machistas direcionadas a ela. “Quanto a minha vida, cidadã. Não se meta. Não sabe de onde vim e nem como fui criado. Com certeza tenho mais educação e moral que vc que apela para expor o filho criança em rede de tv nacional. Ridículo! Vai cuidar de sua cozinha que vc ganha mais (sic)”. Indignada, a mulher foi prestar queixa na Delegacia da Mulher contra a ameaça do síndico.

Enquanto estava no local, no entanto, recebeu a notícia de que o marido dela, Pedro Henrichs, 32, havia sido baleado pelo síndico. “O policial ficou passando pela casa deles no condomínio. O marido foi tirar satisfação e o PM atirou. O disparo atingiu as duas pernas dele”, contou Ciza Cordeiro, irmã de Iara, ao Metrópoles.

Pedro foi levado para o Hospital de Base. Segundo um amigo que acompanha a vítima, ele chegou ao local consciente e passou por uma cirurgia.

Outro lado
Segundo o policial militar de Goiás Hebert Henrique, ele foi ameaçado tanto por Pedro quanto por Iara na conversa de WhatsApp. “Depois que dei a resposta nela, a bloqueie e retirei do meu aplicativo. A mulher mandou para o Pedro apenas uma parte editada da conversa. Quando ele viu, foi para a rua e começou a falar para todos que ia tirar satisfação comigo, me ameaçando até de morte”, contou Hebert.

Um dos vizinhos passou a informação ao policial que foi até a 30ª Delegacia de Polícia registrar ocorrência contra Pedro. “Quando cheguei na minha rua, ele estava me esperando. Minha mulher parou o carro e ele partiu para cima dela. Saí do veículo para defendê-la e Pedro desferiu dois golpes com algum objeto contra mim. Saquei a arma e atirei em direção às pernas, um procedimento padrão da polícia, para parar com a violência”, defendeu-se o policial.

Logo depois, o policial voltou à 30ª DP, apresentou-se e mostrou a arma. O caso ainda será investigado.

Fonte: Metrópoles.